Tiaras Hadassah

Bem vinda ao nosso network de micro/ empreendedoras!

Aqui nós iremos trocar experiências com diversas mulheres de vários seguimentos profissionais ao longo do projeto.

Hoje, nós iremos conversar com a Pâmela Santos, da “Tiaras Hadassah” para conhecer um pouco da sua história.

Vamos lá?

– Pâmela, muito obrigada por aceitar participar desta troca de ideias, por disponibilizar uma parte do seu tempo para nos contar um pouco de sua trajetória e acrescentar seus valores e experiências a todas nós. Gostaria que você se apresentasse para nossos leitores e falasse da sua opinião sobre microempreendedorismo feminino no atual cenário brasileiro.

– Olá! Meu nome é Pâmela Santos, tenho 28 anos, sou casada, tenho uma filha de 3 meses e moro em Magé ( RJ).

O microempreendedorismo feminino é fundamental para nosso país hoje, vendo que o atual cenário econômico está em crise. Pesquisando, podemos ver que boa parte do capital que circula pelo Brasil é movimentado por microempreendedores e muitos deles são mulheres que assim como eu, muitas das vezes não podem sair de casa para trabalhar, observando que hoje o mercado de trabalho está escasso. Mulheres que usam seus dons para beneficiar a outros com seus produtos e assim poder ajudar na renda familiar.

E por que não sustentar sua família? Seja revendendo algo ou produzindo, seja o que for. Mulheres que correm atrás da sua independência financeira, ajudando assim o seu país a manter-se vivo no meio de tanta crise.

– Realmente o empreendedorismo é responsável diretamente pela riqueza de um país e, consequentemente, quando muitas pessoas empreendem em meio a crise, ocorrem ações para suprirem as necessidades da nação. Explicando melhor, acabam surgindo soluções, oferecidas por esses empreendedores, para as necessidades oriundas da crise econômica daquele determinado momento. Sejam elas com produtos, prestação de serviços ou até mesmo com a parte da sustentabilidade ambiental da qual deve-se ser sempre observada e, não negligenciada, para que não tenhamos respostas da natureza com inúmeros prejuízos.

Gostaria que nos contasse quando decidiu empreender na área de artesanato, porque escolheu este ramo e quais as objeções que foram argumentadas por você antes de colocar sua ideia em prática.

– Desde meus 20 anos tenho esse interesse por artesanato. Comecei com e.v.a, fazendo lembrancinhas para festas, bonecas, etc. Isto me levou a investir também em festas e aí comecei a comprar móveis, cortinas… Como o tempo era pouco e não dava para continuar com os dois, parei com o e.v.a e fiquei trabalhando só com as festas. Fiquei com elas por 3 anos e aí o Brasil começou a entrar em crise, fazendo as procuras por festas caírem significativamente. Cogitei a possibilidade de parar, e aí eu e meu esposo, que sempre esteve comigo em todos os projetos, pararmos e vendemos tudo.

Quando parei, a intenção era conseguir um trabalho convencional, de carteira assinada. Mas nesse meio tempo engravidei e a ideia de trabalhar foi descartada, pois ninguém contrata uma mulher grávida.

Comecei a preparar o chá de fraldas e vi a necessidade de fazer as lembrancinhas e toda decoração. Como só meu marido trabalhava, não dava pra contratar ninguém. Foi quando comprei feltros para fazer eu mesmo as lembrancinhas do chá de fraldas. As pessoas viam que eu estava fazendo, começaram a encomendar e então comecei a fazer artesanato com feltro, pois era um trabalho um trabalho que não me prejudicaria durante a gravidez. Minha filha nasceu e continuei confeccionando.

Comecei fazendo tiaras de flores com feltro, pois tinha visto na internet e gostei do que vi, quando percebi a possibilidade de fazer com cetim. Comprei uma fita, fiz um tiara, postei na internet e recebi cinco encomendas.

Foi quando me vi com a dúvida de investir ou não. Eu precisava fazer uma compra cara e se não vendesse? Se as pessoas não gostarem? Se eu não vender, não irei conseguir pagar a compra que fiz…

Estes questionamentos surgiram e olhando para o mercado são milhares de pessoas que fazem o que faço. Mas tive coragem, meu marido mais uma vez me encorajou e me ajudou e então comecei a fazer as tiras de cetim.

Minhas clientes me enviam elogios pelo trabalho. Minhas tiaras não tem nada além das outras, apenas faço com amor, dedicação e muito carinho. Verifico cada tiara, se não vai soltar, se não irão machucar a cabecinha dos bebês, uso a fita de melhor qualidade do mercado. Tudo para oferecer um bom produto a minhas clientes que, como eu, gosta de ter um produto de qualidade para suas filhas.”

– Muito interessante o relato de sua trajetória, como cada experiência te fez crescer e te encaminhar para algo mais consolidado e propício para conciliar com a maternidade.

Grande parte das mulheres têm adiado o sonho de ser mãe por causa de sua carreira. Algumas até deixam esse sonho de lado. Umas por terem adiado tanto que quando viram ficou cada vez mais difícil concretizar o sonho. Outras até mesmo por decisão de não serem mães ( o trabalho acabou sendo o mais importante).

Exceto quando por decisão própria, é lastimável a não realização das maternidade, por razões profissionais, tendo em vista que há diversas possibilidades de empreendimentos próprios que possibilitam a conciliação da vida maternal e você, Pâmela, é um grande exemplo de empreendedora e de mãe. Tem conseguido conciliar sua função de empreender com seu dom de ser mãe. Parabéns, pela garra e determinação!

Entrando no assunto de investimentos, assim como eu e você tivemos, a dúvida de investir em algo e não obter o retorno desejável é a também a dúvida de muitas mulheres que planejam ter seu próprio negócio.

Antes de empreender, caso você não tivesse o retorno esperado nas vendas, você preparou um plano B ou arriscou por completo? Pretende investir mais na área e implantar outros produtos?

– Eu arrisquei por completo em todos os investimentos que fiz. Estou com muita esperança neste negócio pois cada dia que passa as vendas aumentam e vejo que em breve vou poder ter o retorno que espero. Pretendo sim investir mais nesta área e estou estudando a possibilidade de aumentar o negócio, investindo em produtos pet’s. Mas ainda é apenas um projeto e espero que em breve saia dos papéis.

– Muito bacana seu relato! Eu me identifiquei em muitas coisas que você nos passou e tenho certeza que muitas outras pessoas irão se identificar. É ótimo poder ver que não somos os únicos que enfrentamos obstáculos e é muito satisfatório ver que você tem se superado a cada dia.

Desejo de coração que todos os seus projetos se realizem. Aliás, acredito que se concretizarão, pois com dedicação, persistência, amor pelo o que faz e coragem para investir em seus projetos, iremos longe. É isso você tem de sobra.

Por fim, gostaria que desse sua opinião em relação a importância da troca de ideias entre pessoas que estão no mesmo propósito. Gostaria que falasse o que acha sobre o projeto do blog, da interatividade entre pessoas que estão começando essa jornada empreendedora e também deixasse uma mensagem para cada uma delas.

– A troca de ideias é essencial! Para mim e no ramo que sigo foi fundamental.

O projeto do blog é maravilhoso porque muitas mulheres, assim como eu, que estão iniciando um negócio próprio passam por dificuldades e momentos que dão vontade de parar. Mas estar em contato com outras empreendedoras, que muitas das vezes têm palavras de incentivo e encorajamento, que já passaram o que estamos vivenciando hoje e já venceram… Ter esse contato e essa interatividade é maravilhoso!

E você que está começando essa jornada empreendedora, assim como eu, minha mensagem para você é: Não desista! Nem sempre vai dar tudo certo, mas com esforço e dedicação, as coisas irão acontecer. O segredo é: Faça com amor, como se fosse pra si próprio. Toda vez que faço um laço, eu me pergunto: Eu compraria?

Seja rigoroso com seu trabalho e faça tudo com a melhor qualidade possível.

-Muito obrigada pela participação, Pâmela. Sucesso em todas as áreas da sua vida! Passei a ser admiradora de seu trabalho e garra.

E aí meninas? Gostaram de conhecer um pouco da história de Pâmela? Me diga o que achou, dê sua opinião e sugestões para outras entrevistas como esta. Fale comigo aqui, pelo Instagram ou na fan page

Breve mais network para todas nós!

Para quem quiser ficar por dentro das novidades do blog, subscreva-se aqui, siga-me no Instagram e no Facebook (@bloglisiqueira).

Ah! Temos surpresa dá ” Tiaras Hadassah” para você. Siga também as redes sociais dela! OK? (@tiarashadassah)

Grande abraço, Li Siqueira.

4 comentários em “Tiaras Hadassah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s